Posts com Tag ‘amor’

Amor mais ou menos

Publicado: abril 12, 2012 em Uma idéia
Tags:, , , ,

A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos.
A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.
A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos…

TUDO BEM!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum…
é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos.

Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.
Chico Xavier

Indefinido

Publicado: novembro 17, 2011 em Uma idéia
Tags:, ,

Uma das melhores definições de amor que eu conheci.

Que Não Deveria Se Chamar Amor
Paulinho Moska

O amor que eu te tenho é um afeto tão novo
Que não deveria se chamar amor
De tão irreconhecível, tão desconhecido
Que não deveria se chamar amor
Poderia se chamar nuvem
Pois muda de formato a cada instante
Poderia se chamar tempo
Porque parece um filme que nunca assisti antes
Poderia se chamar labirinto
Pois sinto que não conseguirei escapulir
Poderia se chamar aurora
Pois vejo um novo dia que está por vir
Poderia se chamar abismo
Pois é certo que ele não tem fim
Poderia se chamar horizonte
Que parece linha reta, mas sei que não é assim
Poderia se chamar primeiro beijo
Porque não lembro mais do meu passado
Poderia se chamar último adeus
Que meu antigo futuro foi abandonado
Poderia se chamar universo
Porque nunca o entenderei por inteiro
Poderia se chamar palavra louca
Que na verdade quer dizer aventureiro
Poderia se chamar silêncio
Porque minha dor é calada e meu desejo é mudo
E poderia simplesmente não se chamar
Para não significar nada e dar sentido a tudo

11-11-11

Publicado: novembro 4, 2011 em Uma idéia
Tags:, , , , , , , , , ,


Existem muitas profecias sobre esse dia, alguns falam em manifestação do mau, outros falam que é o início de uma nova era com a abertura de um portal de energia onde se dá inicio ao fim dos tempos.
Eu prefiro acreditar em uma data de união dos povos em uma energia positiva de pensamentos, onde se dá inicio a uma nova consciência mundial, em que fazer o bem é mais importante do que qualquer outra manifestação do mau.
Existe uma corrente internacional que sugere que no dia 11-11-11 possamos parar um minuto e  rezar para um mundo melhor, paz e harmonia entre os povos.  Seria muito importante se cada um de nós ao invés de ser contaminado por energias negativas de medo e apreensão por um possível fim do mundo, pudéssemos nos unir em uma rede de energia positiva mundial, agradecendo e pedindo proteção.
Pense nisso e prepare-se para um dia de orações e felicidade.


Se me perguntares por que eu gosto, eu vou te responder, eu não sei. Certas coisas não se explicam apenas se sentem.  E quanto mais não se sabe o que sente mais temos consciência que estamos onde queremos estar, é difícil entender isso, mas simplesmente acontece.
E quando acontecer pare e pense quantas vezes na sua vida isso aconteceu? Eu até acho que sei a resposta, uma única vez não é? Pois quando acontecer agarre com todas as forças, no palco da vida não tem espaço pra reprise e o que acontece hoje não acontecerá novamente amanhã. Mergulhe de cabeça e viva a vida, o amanhã é o agora e o ontem é o nunca mais.


A vingança é a justiça do homem em estado selvagem, nunca deixe que o instinto animal domine os seus pensamentos. Muitos acham que a vingança é o certo quando alguém te faz o mau, uns dizem até a velha frase: “Olho por olho, dente por dente”. Mas o homem que sabe a verdade nunca se deixa levar por esses sentimentos, pois isso só trás mais infelicidade e mais inimigos.

Conta Mahatma Gandhi que certo dia o mestre e o seu discípulo caminhavam pela mata quando ouviram um gemido, verificaram que caído no chão estava um homem ferido gravemente. Com muita dificuldade o mestre e o discípulo carregaram o homem para sua casa humilde, onde trataram dos seus ferimentos.
Uma semana depois, já recuperado, o homem contou que havia sido assaltado e quando reagiu foi esfaqueado.  Ele disse que conhecia o agressor e que não descansaria enquanto não se vingasse. O homem agradeceu ai mestre por tudo e se preparou para a vingança.

O mestre olhou para o homem e disse: Pois vá e faça o que deseja. Entretanto devo lhe informar que me deve três mil moedas de ouro.
O homem ficou assustado e disse: Mas senhor eu sou um pobre homem que não tenho tanto dinheiro assim para lhe pagar.

Então o mestre falou: Se não podes pagar pelo bem que recebestes com que direito cobrais pelo mal que lhe fizeram?
Antes de cobrar qualquer coisa, procure saber quanto você deve. Não faça cobrança pelas coisas ruins que te aconteçam nessa vida, pois essa vida pode lhe cobrar tudo que você deve. E com certeza vai pagar muito mais caro. A vingança nos torna igual ao inimigo; o perdão faz-nos superiores a eles.

O fraco jamais perdoa, o perdão é característica do forte.

 


Não sei o que está acontecendo com as pessoas, mas o desprendimento e a individualidade está cada vez mais na moda e é cada vez mais exaltado esse  “lifestyle” de relações modernas e individualistas. Infelizmente nosso mundo caminha para a banalização do relacionamento, da fidelidade e do compromisso entre as pessoas.
Um pensador que eu admiro muito é Arnaldo Jabor,  achei esse texto com uma amiga, é um pouco grande mas vale apena ler, ele  fala de forma bem direta e realista da geração tribalista como o autor diz.

Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, levanta os braços, sorri e dispara: “eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também”.
No entanto, passado o efeito do uísque com energético e dos beijos descompromissados, os adeptos da geração “tribalista” se dirigem aos consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo e reclamam de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição.
A maioria não quer ser de ninguém, mas que quer que alguém seja seu.
Beijar na boca é bom? Claro que é! Se manter sem compromisso, viver rodeado de amigos em baladas animadíssimas é legal? Evidente que sim.
Mas por que reclamam depois? Será que os grupos tribalistas se esqueceram da velha lição ensinada no colégio, onde “toda ação tem uma reação”. Agir como tribalista tem conseqüências, boas e ruins, como tudo na vida.
Não dá, infelizmente, para ficar somente com a cereja do bolo – beijar de língua, namorar e não ser de ninguém.
Para comer a cereja é preciso comer o bolo todo e nele, os ingredientes vão além do descompromisso, como: não receber o famoso telefonema no dia seguinte, não saber se está namorando mesmo depois de sair um mês com a mesma pessoa, não se importar se o outro estiver beijando outra, etc, etc, etc.

Embora já saibam namorar, “os tribalistas” não namoram. Ficar,também é coisa do passado.
A palavra de ordem hoje é “namorix”. A pessoa pode ter um, dois e até três namorix ao mesmo tempo.
Dificilmente está apaixonada por seus namorix, mas gosta da companhia do outro e de manter a ilusão de que não está sozinho.
Nessa nova modalidade de relacionamento, ninguém pode se queixar de nada.
Caso uma das partes se ausente durante uma semana, a outra deve fingir que nada aconteceu, afinal, não estão namorando.
Aliás, quando foi que se estabeleceu que namoro é sinônimo de cobrança?
A nova geração prega liberdade, mas acaba tendo visões unilaterais.
Assim como só deseja “a cereja do bolo tribal”, enxerga somente o lado negativo das relações mais sólidas.
Desconhece a delícia de assistir um filme debaixo das cobertas num dia chuvoso comendo pipoca com chocolate quente, o prazer de dormir junto abraçado, roçando os pés sob as cobertas e a troca de cumplicidade, carinho e amor.
Namorar é algo que vai muito além das cobranças.
É cuidar do outro e ser cuidado por ele, é telefonar só para dizer boa noite, ter uma boa companhia para ir ao cinema de mãos dadas, transar por amor, ter alguém para fazer e receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter alguém para amar. Já dizia o poeta que “amar se aprende amando” e se seguirmos seu raciocínio, esbarraremos na lição que nos foi passada nas décadas passadas: relação é sinônimo de desilusão.
O número avassalador de divórcios nos últimos tempos, só veio a confirmar essa tese e aqueles que se divorciaram (pais e mães dos adeptos do tribalismo), vendem na maioria das vezes a idéia de que casar é um péssimo negócio e que uma relação sólida é sinônimo de frustrações futuras.
Talvez seja por isso que pronunciar a palavra “namoro” traga tanto medo e rejeição. No entanto, vivemos em uma época muito diferente daquela em que nossos pais viveram.
Hoje podemos optar com maior liberdade e não somos mais obrigados a “comer sal junto até morrer”.
Não se trata de responsabilizar pais e mães, ou atribuir um significado latente aos acontecimentos vividos e assimilados na infância, pois somos responsáveis por nossas escolhas, assim como o que fazemos com as lições que nos chegam.
A questão não é causal, mas quem sabe correlacional. Podemos aprender amar se relacionando.
Trocando experiências, afetos, conflitos e sensações. Não precisamos amar sob os conceitos que nos foram passados. Somos livres para optarmos. E ser livre não é beijar na boca e não ser de ninguém.
É ter coragem, ser autêntico e se permitir viver um sentimento… É arriscar, pagar para ver e correr atrás da felicidade.
É doar e receber, é estar disponível de alma, para que as surpresas da vida possam aparecer.
É compartilhar momentos de alegria e buscar tirar proveito até mesmo das coisas ruins.
Ser de todo mundo, não ser de ninguém, é o mesmo que não ter ninguém também…
É não ser livre para trocar e crescer… É estar fadado ao fracasso emocional e à tão temida solidão.”

Arnaldo Jabor



A doença do homem é o negativismo, é muito fácil ouvir um amigo dizendo: a vida é difícil, ou a vida é injusta, até mesmo a descrença nas pessoas, como: hoje não se pode mais confiar em ninguém.
Mas você já viu alguém bem sucedido negativo com a sua própria vida? Que tipo de pessoa não acredita no amor? Que tipo de pessoa é sozinha?

Já dizia o grande governador da terra: Sua fé te curou. Ele sabe muito bem o poder do pensamento, e sempre que pôde mostrou isso para todos. Pensamento positivo é igual a energia positiva, que resulta em grandes feitos. O medo e o negativismo atraem energias negativas, consequentemente ações negativas.

Quem adquiriu riquezas, acredita no seu potencial.
Quem tem amor, acredita no amor.
Quem tem saúde, acredita na saúde.
Quem tem amigos, acredita nas pessoas.
Quem tem paz, acredita em Deus.

Porque ao invés de reclamar da vida e destacar os pontos negativos, não passamos a olhar nela o que acontece de bom, e valorizar isso? Porque ao invés de exigir da vida, não passamos a agradecer por ela?
Obrigado por estar vivo, por todas as maravilhas da terra, por ver, por ter uma família, por ter um desafio que me fará amadurecer.

Na vida, é sendo grato e positivo que multiplicamos toda a nossa riqueza, seja ela material ou espiritual.



O mundo da muitas voltas e muito rápido. O que você planta hoje se colhe amanhã. O que você faz ao seu próximo volta em dobro. Se você planta indiferença não tem como colher outra coisa se não a indiferença, mas se planta amor boa safra terá, pois colherá ricos campos do melhor fruto da vida.
Um olhar de desprezo, um carinho negado, uma indiferença plantada causa grandes colheitas de desejos maldosos de insucesso para quem plantou tanta discórdia. O homem que não tem em seu íntimo o cuidado pelo próximo poderá atrair para si uma grande quantidade de energia negativa e maus desejos. Tem momentos na vida que nos damos conta que tudo não está muito bem e nada dá certo, achamos que nada tem mais a vitalidade de antes, e passamos a não ter mais atração por nada.

Já parou pra pensar que pode ser o fruto de tudo que você está plantando? Já pensou que talvez você esteja plantando capim e esperando flores?

Às vezes não nos damos conta do que estamos fazendo, e sem querer estamos plantando o nosso próprio mal, enquanto estamos querendo colher, com nosso egoísmo, um bem que ainda não plantamos.


Pare um pouco pra pensar, quantas vezes você ligou para alguma pessoa que gosta, ou então me diga quantas vezes você fez uma visita ao seu melhor amigo nos últimos 5 dias? Se a resposta foi nenhuma isso não me surpreende. Pois muita coisa na vida da gente tende a se virtualizar, as idas ao banco, as compras, as visitas à biblioteca, tudo isso faz parte da nossa vida moderna.
Só que eu venho observando algumas coisas que me incomodam um pouco. Vou lhe contar um episódio que aconteceu comigo. A pouco foi o meu aniversário, recebi muita energia positiva que a muito tempo eu não recebia, isso renova qualquer pessoa, e eu estou muito bem com isso. Recebi muitas mensagens, cada uma mais bonita que a outra. Mas ai vem a seguinte questão: Quantas dessas mensagens foram ligações ou ditas pessoalmente?

Menos de 5% dessas, foram calorosamente ditas por telefone ou presencialmente.  Não estou questionando o carinho que recebi de todos, pois sei que foi de coração e da maioria foi verdadeiro.  Apenas me chamou a atenção o quanto que estamos ficando distantes das pessoas que gostamos. Hoje nosso carinho se resume a 140 caracteres, aceitamos como suficiente algumas palavras escritas. Estamos virtualizando o amor.

A tecnologia aproxima quem está longe, mas afasta quem está perto.

Nada substitui o calor de uma entonação de voz ao telefone, ou uma discreta rouquidão provocada por uma lágrima de felicidade em estar falando com quem tanto gosta.
E o abraço? Ahh o abraço, não tem coisa mais confortante do que esse simples gesto entre duas pessoas. É tão bom que até distribuem gratuitamente só para se sentir mais e mais vezes essa sensação tão única.

Estamos tão acostumados com a frieza da tecnologia que achamos até estranho certas atitudes como essa. O mundo está sendo construído entre o concreto das nossas casas e os frios bits das nossas redes sociais. Onde nos escondemos atrás de caracteres capazes de unir o mundo que está longe, e separar pessoas que estão tão perto.



Eu já falei muito sobre amor, amizade, paixão , felicidade. Mas acho que eu ainda não falei de algumas verdades que todos precisamos saber sobre o amor, mas que poucas pessoas falam ou admitem saber.

Que tal falarmos do que não é amor?
Uma das coisas que é fato é que se você precisa de alguém para ser feliz, isso não é amor, isso é carência. Se você tem ciúmes, e faz de tudo para conservar uma pessoa na sua vida mesmo sabendo que não é amado. Isso não é amor isso é falta de amor próprio.

Se sua vida se torna vazia sem a presença de uma pessoa e você não consegue imaginar a sua vida sem ela? Mesmo sabendo que o amor já acabou. Isso não é amor, isso é dependência.
E se você não sente desejo, não se realiza sexualmente, até prefere nem ter relações, mas adora estar ao lado daquela pessoa. Isso não é amor, isso é amizade.

Se as brigas são constantes e discordam na maioria das vezes, mas na cama tudo pega fogo. Isso não é amor, isso é paixão.
É fácil confundir sentimentos, até porque estamos ainda aprendendo e tudo é novidade. Às vezes errar faz parte do processo e em alguns casos, quanto mais sofrimento, mais aprendizado.  E quanto mais a gente aprende mais fácil fica separar o que é amor e o que é uma simples paixão.

Cabe o meu amor!

Publicado: maio 20, 2011 em Música
Tags:, , , ,

Tem coisas que não tem preço, amor, amizade, companheirismo, felicidade. Tudo isso junto e misturado como uma dispensa, como um coração.

Oração – A Banda Mais Bonita da Cidade.

Meu amor essa é a última oração
Pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na dispensa

Cabe o meu amor!
Cabe em três vidas inteiras
Cabe em uma penteadeira
Cabe nós dois

Cabe até o meu amor
Essa é a última oração pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na dispensa

Cabe o meu amor!
Cabe em três vidas inteiras
Cabe em uma penteadeira
Cabe essa oração

Vale apena.

Publicado: dezembro 30, 2010 em Um dia eu pensei
Tags:, , , , , , ,

Pra que acordar arrependido? Ame as pessoas que te tratam bem e ame, também as pessoas que te tratam mau, porque você pode. Acredite que tudo acontece por uma razão, e essa razão só o grande mestre sabe, mas você não. Se tiver uma segunda chance, agarre com as duas mãos, se isso mudar a sua vida, deixe acontecer.
Beije devagar, perdoe rápido.

Deus nunca disse que a vida seria fácil, ele simplesmente prometeu que valeria apena.

Viva, você está aqui pra isso.

Mude! é 2011!

Publicado: dezembro 23, 2010 em Um dia eu pensei
Tags:, , , ,

Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade. Edson Marques

E que venha 2011, um feliz 2011!